Bucho cheio!

Ao fuxicar as pastas de fotografia em meu computador, começo a recordar como foi que os quilos extras surgiram. Não que eles tenham criados gorduras que antes não existiram. Apesar disso, confirmo com toda a certeza, que a banha consumida incrementou a que já existia.

Juro que nem toquei nisso!

O problema são as gosturas com as quais se esbarram. Portugal não é só bacalhau. Tem doces super adocicados, feitos com muita gema de ovo. Portugal não é só vinho. Aqui tem muita comida com molho picante, daquele que te força tomar um litro de água durante a refeição, a fim de inchar o bucho e ajudar no equilíbrio osmótico. A famosa Francesinha, especialidade do Porto, ou as espetadas, são exemplos disso.

O tal do bacalhau de Portugal

Aliás, o problema não é Portugal. Em cada canto da Europa pelo qual passei, descobri comidas que sequer sabia da existência. Vivi com alemãs, que me introduziram especiarias e temperos dos quais até hoje não entendi a finalidade real – mas são boas demais! Depois fui passando pela mão de tchecos, poloneses e brasileiros dos quatro cantos do Brasil, que me apresentaram especialidades locais. Comecei a aceitar comidas que repugnava anteriormente, exemplo disso são alguns laticínios que já tolero.

Macarrão com aspargos e natas! Aprendi com a Clara, alemão que morava comigo.

Comida da Maren: Salada de massa com tomates secos, cuscuz e pão italiano 🙂

Eu simplesmente não consigo parar de comer! Creio que eu seja a única pessoa do mundo capaz de engordar oito quilos em um mochilão de 40 dias. Lógico que não fiquei a base de atum-pão-água. Talvez tenha sido essa a minha grande falha. Mas posso dizer que senti dos mais diversos gostos, odores e texturas; provei bebidas que ora fazem bem, ora causam o mal; mastiguei e engoli sem pensar na pochete, seja aquela na qual guardei o dinheiro ou a outra onde a banha fica depositada em volta do umbigo.

Queijo quente, batata frita e muito óleo. Normal na Eslováquia!

Pierogi de carne. Especialidade polonesa!

Pierogi de morango. Morri!

A MELHOR COMIDA QUE COMI NA VIDA FOI NA CRACÓVIA, POLÔNIA!

Um dos prazeres da vida é comer. Deve ser mesmo. Apesar disso, creio que eu seria uma das primeiras pessoas a aderir a pílulas de alimentação, caso elas fossem difundidas no mercado. Bom mesmo é comer sem culpa, e essa é uma das gostosuras da Europa. Tudo bem que aqui tem moças altas, esbeltas e que esbanjam elegância. Porém, uma gordurinha a mais não é de forma alguma discriminada tanto quanto no Brasil.

Fernanda gordinha! Dos 49 aos 62 em sete meses! (Agora já emagreci de novo, tá?)

Anúncios

3 comentários

Filed under Europa, Portugal, Vida Portuguesa

3 responses to “Bucho cheio!

  1. Krystal

    Sério, tu tá me torturando! Eu aqui com fome e tu me diz pra ler esse post! Meu estomago tá se auto-digerindo já heueheueheu ;/
    Saudadeeees, cabeção!
    beijooos

  2. luiza albertini

    suaaa gooorda! hehuehuehuheuhue

    bahh sério! só comida boa! eu ia parar nos 80 se tivesse ai!!

  3. alice

    Na próxima viagem vou contigo pois sei que fome não vou passar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s