Milagre

Cláudia, colega de Geografia na Universidade do Porto, estuda na UFSM em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Com seus 30 e poucos anos, largou tudo no Brasil e se mandou pros lados de cá por causa de um português. Gostava de falar das filhas, uma com seis, outra com onze, se não me engano. Morava com uma senhora portuguesa, que a dispensou do pagamento do aluguel, pois gostava muito dela. Além disso, ela prestava pequenos serviços domésticos a casa.

Cláudia deixou o Porto no final de junho, em uma quinta-feira. Me visitou no trabalho no seu último domingo por aqui, aquela foi a nossa despedida. Ainda me ligou no saguão do aeroporto, enquanto aguardava o vôo, que estava atrasado. “Vamos aproveitar meus últimos minutos de Moche”, disse ela.

O fato é que ela foi pega no metrô sem pagar. Os fiscais chegaram, pediram seu ticket de viagem e ela não o tinha. Noventa e cinco euros por causa de noventa e cinco cêntimos. Após conferirem a invalidez do Andante, procede a multa. Parecem que os fiscais pedem seu nome completo, número de passaporte e endereço. Se a multa será paga algum dia? Não sei. Conheço duas meninas de Ouro Preto que foram multadas em suas primeiras semanas aqui no Porto e, até agora, nada aconteceu.

Enfim, a quinta-feira da semana passada foi um típico dia de praia. Me debandei para Matosinhos com a Josi. Mais tarde, encontramos a flatmate dela, Talita. Ela iria viajar para Frankfurt no dia seguinte. Passou a tarde em casa arrumando as malas e tentando arranjar CouchSurfing para algumas cidades que ainda faltava. Talita embarcou numa viagem longa. De Frankfurt seguia para Berlim e depois para dezenas de outras cidades. Iria tentar a sorte na Embaixada da Índia na Alemanha, a fim de conseguir o visto para uma visita ao país.

Ficamos na praia até nove e pouco. Talita queria se despedir da outra Talita que mora com elas e que trabalha a noite. Então, estava na hora de seguir para casa. Ela disse que nunca comprou o Andante mensal, sempre viajou sem pagar. Quando estavámos indo para a paragem de autocarro, ainda brinquei: “Uma amiga minha foi multada em sua última semana aqui no Porto”. Como não tinha madeira para bater, seguimos em frente.

Sentamos nos últimos bancos do 502. Talita na janela, eu no meio, Josi com a cara para o corredor. Na altura da Boavista, estavámos conversando sobre qualquer bobagem que mulheres desocupadas conversam e rindo à toa.

Josi: “Fiscal”.
Eu: “Han?”
Josi: “Fiscal”.

Eu só olhei para a camisa azul claro dos dois homens que agora estavam dentro do autocarro. A plaquinha no peito não deixava dúvidas: “Fiscal”. Olhei para Talita e repeti a única palavra que consegui dizer naquele momento: “Fiscal”. De sobresalto, as três levantaram e seguiram em fila indiana. O destino era a porta, mas antes dela teríamos que mostrar o Andante.

Josi passou na conferência. Eu enrolei para achar meu Andante na bolsa. Sabia exatamente onde estava, mas esperava que um milagre pudesse acontecer enquanto eu perdia tempo. Talita ainda tentou pedir um Andante emprestado para uma senhora qualquer que estava no banco a nossa frente. “Ele vai conferir a numeração e me xingar”, argumentou para negar o empréstimo. Enfim, ele conferiu o meu. Abri a bolsa, peguei o celular e conferi as horas trancando a passagem. “A senhora pode seguir, por favor”.

Andante: Viagens na zona urbana do porto a partir de 18 euros/mês. O meu custa 28, pois tem quatro zonas.

Andante: Viagens na zona urbana do porto a partir de 18 euros/mês. O meu custa 28, pois tem quatro zonas.

O autocarro parou. “Desce comigo, por favor, eu estou atrasada”, disse Talita ao fiscal. Ele disse que não podia descer, e a deixou passar sem conferência. Nós três saltamos desesperadas. E se ele viesse atrás?

Meu coração bateu forte por pelo menos mais cinco minutos. Foi inacreditável, mas, ao mesmo tempo, uma grande lição. Desespero não ajuda em nada. O negócio é respirar e inventar uma lorota de efeito rápido para se livrar da fiscalização. Mesmo assim, prefiro carregar meu Andante todos os meses, pois não é todo dia que milagres acontecem.

Anúncios

1 Comentário

Filed under Vida Portuguesa

One response to “Milagre

  1. Batman

    o foco mandou lembranças na foto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s